sábado, 29 de setembro de 2012

COM ATRASO, COM AFECTO ...


Ocorreu no passado dia 21; segundo critérios de índole jornalística já perdeu, pois, toda a oportunidade, mas como este blogue mais parece um arquivo morto, sabe-se lá se com algum interesse para os vindouros, deixo aqui certas imagens que captei na vigília junto ao Palácio de Belém, quando da reunião do conselho de Estado.
 
Bem vistas as coisas, reportei o tema no FB, mas, como diz o outro, não é a mesma coisa.
 
Por outro lado, o evento não merece ficar em branco, na transição para o seguinte, que, passe a redundância (intencional ...), se seguirá no próximo post. 
 
Nesta fase do campeonato, os comentários parecem-me desnecessários ...
 
Assim, que as palavras, animadas ou não, falem por si!
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
ACORDAI!
 
 
 
 
 
 

sábado, 15 de setembro de 2012

15 DE SETEMBRO DE 2012


Como as palavras já se vão tornando desnecessárias, tal é a estrondosa evidência dos factos, limito-me a deixar algumas imagens, para ilustrar uma das maiores, se não a maior MANIFESTAÇÃO, a que tenho assistido nos últimos, pesados e injustos tempos que nos tem sido imposto viver, em nome da expiação duma culpa (dívida) a que somos alheios e da prossecução de um interesse que não é o nosso.
 
Apenas saliento que registei uma significativa mudança do tecido sociológico presente, traduzida no facto de, aos do costume, se terem juntado muitos outros, por um lado, seguramente oriundos duma classe média de nível bem mais elevado e, por outro lado, com uma amplitude etária bem mais diversificada.
 
Enfim, sendo de lamentar a necessidade duma situação extrema, que toca a todos (obviamente, com excepção da minoria privilegiada que manda ...), para nos unirmos, ao menos que a UNIÃO SE CUMPRA. E cumpriu-se!  
 
 


 

 
 
 
 
 
 
 
É, ainda, caso para dizer que o filme segue dentro de momentos ...
 
 
 

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

DIVIDIR PARA REINAR


Os Trabalhadoresdo Estado e do Sector Privado, não sendo idiotas, ter-se-ão apercebido de que o (des)governo, num fantástico, aldrabão e nojento passe de mágica, trocando os nomes às coisas e as razões aos conteúdos, acaba de decretar  a extinção imediata  de um direito constitucionalmente consagrado, o direito a um dos subsídiosadiando a extinção do outro para melhor oportunidade, enquanto mantém o seu roubo (ainda) alegadamente temporário.
 
Se tal ainda não aconteceu, acho que é uma boa oportunidade para perceberem, de uma vez por todas, que a divisão e guerrilha entre eles só interessa a quem a fomenta, ou seja, a esse mesmo (des)governo.
 
Na verdade, a debilitação dos direitos duns é, forçosamente, seguida da debilitação dos direitos dos outros, pois, em qualquer dos casos o que está em causa é a concretização duma ideologia capitalista, selvaticamente capitalista, em que os Valores Humanistas nada valem, sendo o Factor Trabalho completamente menorizado e desvalorizado.
 
Então, estão à espera de quê, para se unirem e derrubarem este (des)governo?
 
 

QUE TAL FECHÁ-LOS NO CAMPO PEQUENO?


 
A comunicação que o 1º ministro (aliás, 1º SINISTRO) deste nosso País acaba de proferir é de tal modo ABJECTA, HIPÓCRITA, CÍNICA e, exactamente por isso, ÓBVIA, que me dispenso de a comentar.
 
Apenas direi duas coisas, MANIFESTAMENTE EVIDENTES:
 
1ª - Como seria de esperar, representa mais da mesma IDEOLOGIA CAPITALISTA E FASCISTA,  a saber: OS TRABALHADORES E OS REFORMADOS QUE PAGUEM A CRISE!
 
2ª - Como seria de esperar, passa, ESTUPIDAMENTE, um ATESTADO DE ESTUPIDEZ aos portugueses, melhor dizendo, AOS TRABALHADORES, REFORMADOS E, MAIS GRAVE AINDA, AOS DESEMPREGADOS PORTUGUESES, pois pretende vender-se como visando um grande objectivo, o do COMBATE AO DESEMPREGO, quando, como qualquer um pode ver, apenas servirá para INCREMENTAR A FRAGILIZAÇÃO DOS DIREITOS LABORAIS E O AUMENTO DO DESEMPREGO!
 
Assim sendo, não posso deixar de acompanhar o sentimento de um participante no Fórum da Antena 1 desta manhã - cujo nome não fixei -, segundo o qual, o culpado desta situação em que nos encontramos é o Otelo Saraiva de Carvalho, por não ter cumprido a ameaça de enfiar os fascistas de então no Campo Pequeno, assim deixando margem ao regresso dos da mesma laia a que hoje se assiste!